Divórcio conjunto: tudo que você precisa saber

O divórcio conjunto tem muitas vantagens sobre o divórcio judicialé. É mais rápido, mais barato e muito mais fácil. Também pode ser menos doloroso para todos, especialmente na presença de crianças pequenas.

Divórcio conjunto

O divórcio é um procedimento judicial que permite a dissolução do casamento. Nem sempre é necessário comparecer a uma audiência ou comparecer perante um juiz.

A Lei 132 de 11/10/2014 introduziu de fato na Itália o negociação assistida, ou seja, basta que o casal vá aos respectivos advogados. Neste caso, não será necessário iniciar qualquer procedimento em tribunal, mesmo na presença de filhos menores ou adultos que não sejam economicamente autossuficientes.

Requisitos de divórcio conjunto

Casal sentado distante no sofá.
Para que o divórcio em conjunto possa prosseguir, é necessário o acordo de ambos os cônjuges sobre os vários aspectos da dissolução do casamento.

Sob a lei, para obter um divórcio conjunto deve atender a pelo menos um requisito: que os cônjuges estão separados judicialmente há pelo menos 6 meses (em caso de separação mútua) ou há pelo menos 12 meses (em caso de separação judicial). Por outro lado, só se pode proceder na presença de acordo entre as partes. Caso contrário, falaremos de divórcio judicial.

Os documentos

Além dos documentos e das últimas declarações fiscais, o pedido de divórcio conjunto deve incluir os elementos e condições relativos aos seguintes aspectos:

  • Cuidar e visitar crianças.
  • Destino doméstico da família.
  • Subsídio de manutenção para o ex-cônjuge e filhos.
  • Possível indenização por rescisão.
  • Possível gestão ou liquidação de bens comuns.

Para este efeito, a assistência de advogado que orienta e tutela os interesses dos cônjuges e menores. Depois de redigido e assinado o recurso, o pedido será apresentado ao tribunal. Também neste caso, as partes serão ouvidas, o que é fundamental para verificar a impossibilidade de conciliação.

Depois de verificar o cumprimento dos requisitos estabelecidos em lei, o juiz emitirá finalmente a sentença aprovando o acordo entre as partes.

Se houver filhos menores, o tribunal deverá avaliar se as condições estabelecidas pelos cônjuges não são contrárias aos interesses dos filhos.

O acordo pode ser rejeitado?

Casal com menina durante o divórcio conjunto.
O acordo de divórcio conjunto deve garantir que não haja consequências negativas para os menores.

Embora os cônjuges tenham chegado livremente a um acordo, o juiz pode indeferir o pedido, mas apenas no caso de o acordo violar a lei, prejudicar os interesses dos menores e / ou de um dos cônjuges, ou a existência de um das causas da dissolução do casamento.

Como você pode ver, obter um divórcio conjunto significa chegar a um acordo entre as duas partes, que deve cumprir a lei, respeitar os interesses das partes envolvidas, especialmente na presença de filhos menores.

Leia também: O casamento está acabando? Aqui estão 10 sinais

Por isso, é importante contar com o apoio de um advogado que possa orientar e aconselhar durante todo o processo. Por fim, lembre-se que esse tipo de divórcio é muito mais vantajoso por ser mais rápido (você evitará comparecer várias vezes ao tribunal), menos caro e, em última instância, menos devastador.