A capacidade cognitiva é maior nesse tipo de personalidade.

Pessoas descontraídas e sem pressa tendem a ter um QI mais alto, constatam pesquisas psicológicas.

As pessoas inteligentes ficam mais descontraídas porque podem fazer as coisas mais rapidamente que outras, por isso não precisam se apressar, especulam os autores.

Pessoas com alto QI também tendem à procrastinação – talvez porque outro benefício da inteligência superior seja capaz de iniciar tarefas posteriormente.

O estudo também descobriu que QI mais alto estava relacionado a ser cauteloso e a ser um perfeccionista.

Isso pode ser porque ser um perfeccionista leva mais tempo e pessoas com QI mais alto têm paciência para esperar até que o trabalho seja feito corretamente.

As conclusões vêm de um estudo com 722 pessoas que receberam testes de personalidade e QI.

Os testes de personalidade focaram-se na consciência, um dos cinco principais traços da personalidade.

Diferentes aspectos da consciência foram examinados, incluindo ser cauteloso, deliberado, ordeiro e com tendência a procrastinar.

Os resultados revelaram uma ligação consistente entre não ter pressa e ter um QI mais alto.

Os autores do estudo explicam:

“A característica comum dessas três características (procrastinação, perfeccionismo e cautela) é tempo ou pressa.

Uma possível interpretação de nossos resultados é que pessoas com maior capacidade cognitiva tendem a ser menos apressadas em sua abordagem geral às atividades da vida.

Essa interpretação implica tanto aspectos positivos (por exemplo, a cautela envolvida em verificar detalhes, atrasar a ação e continuar com as tarefas até o produto ser “perfeito”) quanto negativos (por exemplo, a tendência a procrastinar). “

A ligação entre procrastinação e QI mais alto se resume a maiores habilidades, pensam os autores:

“Isso sugere um ritmo interno mais lento entre as pessoas mais inteligentes que permite mais facilmente interrupções ou a incorporação de novas informações ao concluir uma tarefa.

Isso não significa que as pessoas mais inteligentes sejam fisicamente mais lentas em suas tarefas, pois na verdade elas parecem ser mais rápidas na maioria das tarefas.

Em vez disso, estamos sugerindo que uma maneira pela qual aqueles que demonstram níveis mais altos de habilidade cognitiva podem diferir daqueles que exibem níveis mais baixos de habilidade cognitiva é uma tendência comportamental de acompanhar o trabalho ou outras tarefas com menos do que a capacidade potencial máxima. ”

 

“Por: Onésimo Piloro