Nimesulida serve para dor de garganta

No artigo de hoje vai saber se Nimesulida serve para dor de garganta, no nosso guia completo.

Nimesulida, 4-nitro-2-fenoximetanossulfonanilida, um novo fármaco anti-inflamatório não esteroidal dotado de potentes atividades anti-inflamatórias, analgésicas e antipiréticas.

Publicidade

Foi testado com uma dose diária de 200 mg bid contra benzidamina em uma base duplo-cega, em um estudo randomizado com cinquenta pacientes ambulatoriais sofrendo de doenças inflamatórias do ouvido, nariz e garganta (otite média, sinusite, rinite).

Nimesulida serve para dor de garganta

Nimesulida serve para dor de garganta
Nimesulida serve para dor de garganta

Nimesulida serve para dor de garganta ? 

Sim, serve, a nimesulida é um antiinflamatório e analgésico indicado para o alívio de diversos tipos de dores, inflamações e febres como dor de garganta, dor de cabeça, cólicas menstruais.

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS:

Os comprimidos NIMESULIDA são indicados como adjuvantes para o alívio da inflamação, dor e febre causadas por infecções agudas do trato respiratório superior.

 Dismenorréia primária, inflamação, reumatismo, entorses, distensões, fraturas, artrite reumatóide, osteoartrite, bursite, em intervenções cirúrgicas, tromboflebite e distúrbios ginecológicos.

CONTRA-INDICAÇÕES: É contra-indicado em pacientes com hipersensibilidade conhecida ao princípio ativo, ao ácido acetilsalicílico ou a outros antiinflamatórios não esteróides.

 Não deve ser administrado a indivíduos com sangramento gastrointestinal ativo ou úlcera gastroduodenal ou a pacientes com insuficiência cardíaca, renal e hepática, citopenias e hipertensão arterial grave.

RESTRIÇÕES DE USO DURANTE A GRAVIDEZ E LACTAÇÃO: A pesquisa experimental com NIMESULIDA não demonstrou toxicidade durante a gravidez e, como acontece com todos os novos medicamentos, seu uso durante a gravidez e lactação não é recomendado.

Publicidade

REAÇÕES LATERAIS E ADVERSAS: Nas doses recomendadas é bem tolerado, ocasionalmente o aparecimento de efeitos colaterais como azia, náuseas, vômitos, diarréia e gastralgias leves e transitórias são observados, talvez a tal ponto que a suspensão do tratamento seja necessária. 

Foram relatados casos raros de erupção cutânea de tipo alérgico.

Semelhante a outras drogas não esteróides, pode causar vertigem e sonolência, mas não a síndrome de Stevens-Johnson.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS E OUTRO GÊNERO: Os pacientes devem ser monitorados de perto se outras substâncias com tolerância gástrica limitada estiverem sendo administradas ao mesmo tempo.

A administração concomitante de NIMESULIDA com anticoagulantes ou ácido acetilsalicílico pode levar a efeitos aditivos, aumentando o efeito deste último.

Recomenda-se cautela em pacientes com anormalidades hepáticas, particularmente se NIMESULIDA for administrado em combinação com outros medicamentos potencialmente hepatotóxicos.

A administração simultânea de lítio com NIMESULIDA causa um aumento nos níveis plasmáticos de lítio.

Devido ao alto nível de ligação do NIMESULIDA às proteínas plasmáticas, os pacientes que recebem simultaneamente hidantoínas e hipoglicemiantes orais do tipo sulfonilureia devem ser monitorados de perto.

Publicidade

PRECAUÇÕES EM RELAÇÃO AOS EFEITOS DA CARCINOGÊNESE, MUTAGÊNESE, TERATOGÊNESE E NA FERTILIDADE:

Deve ser usado com cautela em pacientes com histórico de distúrbios hemorrágicos, em pacientes com patologia do trato gastrointestinal superior e em indivíduos em tratamento com anticoagulantes ou medicamentos que inibem a agregação plaquetária.

Como o fármaco é eliminado predominantemente por via renal, é necessário reduzir a dosagem em relação à taxa de filtração glomerular em pacientes com insuficiência renal.

Este produto não deve ser administrado a pacientes com insuficiência renal grave.

Se ocorrerem alterações oculares como com outros antiinflamatórios não esteroidais ou se ocorrerem distúrbios da visão, será necessário interromper o tratamento e realizar exame oftalmológico.

O produto deve ser administrado com cautela, especialmente se sofrer de obstipação intestinal.

Nos estudos de toxicidade crônica de 21 meses, nenhum efeito carcinogênico ou tumorigênico foi encontrado durante ou após a administração de NIMESULIDA.

As investigações sobre a possível atividade mutagênica in vitro do NIMESULIDA, por meio de diversos testes, permitiram estabelecer que o produto não causa nenhum efeito mutagênico.

Em estudos de teratogenicidade em animais experimentais, com diferentes dosagens de NIMESULIDA, o produto não apresentou ação teratogênica. Também usando diferentes níveis de dosagem de NIMESULIDA.

Administrando o produto experimentalmente, nenhum efeito foi observado no crescimento, fertilidade, comportamento de acasalamento, taxa de concepção, tamanho da ninhada ou duração da gestação em animais de laboratório.

DOSE E VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Adultos: A dose consistirá em um comprimido a cada 12 horas que pode ser aumentada para dois comprimidos a cada 12 horas, dependendo dos sintomas da doença e da resposta do paciente.

Recomenda-se tomar o medicamento após as refeições.

Dismenorreia: Recomenda-se tomar um comprimido a cada 12 horas durante 10 dias, iniciando o tratamento cinco dias antes da hemorragia.

MANIFESTAÇÕES E GESTÃO DE SOBREDOSA OU INGESTÃO ACIDENTAL:

Em caso de sobredosagem, recomenda-se a indução de vômito, lavagem gástrica e administração de carvão ativado.

RECOMENDAÇÕES DE ARMAZENAMENTO:

Armazenar em temperatura ambiente não superior a 30 ° C e em local seco.