O melhor leite para o bebê após 12 meses

É importante saber escolher o melhor leite para o bebê após o primeiro ano de vida. Uma escolha errada pode aumentar o risco de desenvolver doenças, especialmente doenças metabólicas ou autoimunes.

O leite materno é o melhor alimento para o recém-nascido, mas a partir do primeiro ano de vida, a energia do bebê precisa crescer muito para se satisfazer apenas com este alimento.

Portanto, é necessário escolher um produto de qualidade que atenda às necessidades nutricionais da criança. Como escolher o melhor leite para o bebê a partir dos 12 meses? Falaremos sobre isso em detalhes nas linhas a seguir.

Diferentes tipos de leite para bebês têm alto teor de açúcar. Este nutriente pode comprometer a saúde metabólica do bebê, o que aumenta o risco de desenvolver doenças a médio e longo prazo.

Pesquisa realizada pela Sociedade Europeia de Pediatria indica que reduzir a ingestão de açúcares simples em crianças é essencial para prevenir problemas metabólicos como o diabetes.

Não preste atenção na quantidade de açúcar adicionado no leite para o bebê pode ter consequências negativas na sua saúde. O uso desses produtos também está ligado a alterações do perfil lipídico.

Leite fórmula infantil.
O melhor leite para o bebê contém baixa quantidade de açúcar.

Leia também: Muito açúcar na gravidez: quais são os riscos?

Você já ouviu falar sobre os benefícios dos ômega 3 na nutrição regular. São ácidos graxos com ação antiinflamatória. A ingestão regular contribui, entre outras coisas, para reduzir o risco cardiovascular, conforme mostra estudo publicado na revista. Farmacologia e Terapêutica.

Esses lipídios são de particular importância para o desenvolvimento das crianças.. A ingestão regular desses nutrientes nos primeiros estágios da vida pode reduzir a incidência de processos autoimunes.

Nesse sentido, uma pesquisa realizada em 2017 relacionou a ingestão regular de ácidos graxos ômega 3 durante os primeiros estágios da vida e um menor risco de desenvolver asma. O melhor leite para o bebê, portanto, contém esses ácidos graxos.

Você pode estar interessado em: Fontes vegetais de ácidos graxos ômega 3

A deficiência de vitamina D é um problema comum entre a população em geral. Um estudo com 97 mulheres grávidas e 90 crianças descobriu que este micronutriente estava frequentemente abaixo dos níveis recomendados.

Uma baixa ingestão de vitamina D pode comprometer a saúde óssea na idade adulta, aumentando o risco de osteoporose. Essa condição é comum em mulheres na pós-menopausa e representa um risco para sua saúde e bem-estar.

Além disso, os baixos níveis dessa vitamina estão associados a uma fraca força muscular e a um maior risco de desenvolver doenças complexas. A vitamina D é um nutriente de difícil obtenção através da dieta e a exposição ao sol é a melhor forma de garantir sua síntese.

Para minimizar o risco de deficiência de vitamina D, é aconselhável escolher um leite para bebês que contenha doses significativas desse micronutriente.

Leite com vitamina D para crianças.
Tanto quanto possível, o leite do bebê deve ser enriquecido com vitamina D.

Existem 3 parâmetros a serem considerados na escolha do melhor leite para o bebê. Outros fatores para escolher o produto certo podem ser as garantias oferecidas pela marca de produção e a ausência de aditivos químicos.

É igualmente importante ler atentamente o rótulo nutricional. O não cumprimento dessas recomendações pode levar a um leite de baixa qualidade ou a um alto consumo de açúcares simples.

O consumo excessivo dessas substâncias durante a fase de desenvolvimento aumenta as chances de sofrer de doenças graves na idade adulta. É essencial prestar atenção à nutrição adequada dos bebês desde o nascimento.